• GeoAmbiental Jr.

Caldas naturais para controle de pragas e doença


Anualmente são usados no mundo aproximadamente 2,5 milhões de toneladas de agrotóxicos. O consumo anual de agrotóxicos no Brasil tem sido superior a 300 mil toneladas de produtos comerciais. Expresso em quantidade de ingrediente-ativo (I.A), são consumidas anualmente cerca de 130 mil toneladas no país; representando um aumento no consumo de agrotóxicos de 700% nos últimos quarenta anos, enquanto a área agrícola aumentou 78% nesse período ( AGEITEC - Cláudio Aparecido Spadotto; Marco Antonio Ferreira Gomes).

    Trazendo inúmeros problemas para o meio ambiente e saúde pública, sendo responsável pela grande parte das contaminações de solo e água na zona rural, eutrofização de cursos d’água, alteração da biodiversidade local e problemas nos organismos que entra em contato com o produto, podendo causar desde irritação até doenças genéticas e carcinogênicas.

   Para minimizar o uso dos agroquímicos, surgem as caldas naturais, que são produzidas a partir de plantas que possuem componentes tóxicos aos insetos e fungos. Com vários benefícios ao produtor e ao ambiente, pois possui baixo custo de produção, alta biodegradabilidade, eficiência comprovada, possui baixa toxicidade ao aplicador e garante autonomia ao produtor. Considerando a importância das caldas naturais, a GeoAmbiental Jr. vem compartilhar diferentes receitas para elaboração das caldas repelentes retiradas da Apostila de Caldas do Centro de Ciências Agrárias:

1 – Inseticida de macerado de alho:

Ingredientes: 8 dentes de alho e 2 litros de água

Preparo: Amassar os 8 dentes de alho num vasilhame e colocar 2 litros de água.

Deixar descansar durante 12 dias.

Dosagem: Misturar 2 litros do macerado por pulverizador de 20 litros.

Função: o alho pode ser usado, na horta, como repelente contra pulgões e lagartas e, na lavoura de alho e outras culturas, para proteger a semente, no momento do plantio, contra os nematóides.

2 – Inseticida de Santa Bárbara:

Ingredientes: -500 gramas de sementes ou 1,5 Kg de folhas

                    -1litro de álcool

                    -1litro de água

Preparo: Prensar as sementes ou as folhas com a água e com o álcool, deixar a solução descansar por 4 dias em ambiente escuro.

Também armazenar a solução em recipientes escuros pois a luz degrada o princípio ativo que é a azadhirachtina.

Dosagem: Utilizar 2 litros da solução inseticida para cada 20 litros de água.

3- Inseticida de extrato de pimenta do reino com alho e sabão

Função: controlar pragas de flores, hortaliças, frutíferas, grãos e cereais

Ingredientes: -100 gramas de pimenta do reino moída

                    -2 litros de álcool

                    -100 gramas de alho

                    -50 gramas de sabão neutro

Modo preparar: Pegar as 100 gramas de pimenta, juntar a 1 litro de álcool em uma garrafa com tampa e deixar em repouso por 1 semana.

Triturar as 100 gramas de alho e juntar a 1 litro de álcool em uma garrafa com tampa e deixar em repouso por 1 semana.

Modo de usar: Na hora de usar, dissolver as 50g de sabão em 1 litro de água, pegar 250 ml (1copo) de extrato de pimenta, 125 ml ( ½ copo) de extrato de alho, misturar bem e colocar no pulverizador com 10 litros de água. Agitar bem a mistura e completar com mais 10 litros de água.

4- Fungicida de cavalinha:

Ingredientes: -300 gramas de cavalinha

                    -1 litro de água

Preparo: Picar a cavalinha, e fervê-la com a água.

Dosagem: Misturar 200 ml do chá de cavalinha no pulverizador de 20 litros.

Função: A cavalinha contém silício em sua composição, que é um elemento tido como indutor de resistência para plantas. O silício forma uma camada protetora impedindo o progresso de doenças fúngicas, além de aumentar também a resistência do produto pós-colheita.

5- Calda Bordaleza:

Ingredientes: -200 gramas de sulfato de cobre

                    -200 gramas de cal virgem

                    -20 litros de água

Preparo:

A- Colocar os 200 gramas de sulfato de cobre em um saco de pano ralo e deixa-lo suspenso em 5 litros de água. Se utilizar água morna, o sulfato de cobre se dissolverá mais rapidamente.

Pode-se também deixar o sulfato de cobre em suspensão na água (5 litros) de um dia para o outro.

B- Colocar os 200 gramas de cal virgem de primeira, em um balde com pouca água. Se em 30 minutos não houver aquecimento da mistura, não usar a cal porque ela não é de boa qualidade. Após a reação completa da cal, quando se forma uma pasta rala, completar o volume da água até 5 litros.

C- Despejar a solução de sulfato de cobre sobre a solução de cal virgem.

Nunca o contrário. Mexer bem para que a cal não se decante. Coar a solução, colocar no pulverizador e completar o volume até 20 litros.

Atenção: Para verificar se a calda não está ácida, pois queimará as folhas das plantas, pingue uma gota da solução final em um canivete ou faca de ferro.

Aguarde 3 minutos e se formar uma mancha avermelhada no metal, é necessário colocar mais leite de cal na solução, pois ela está ácida.

Para que serve: A calda bordaleza é utilizada para o controle de doenças em plantas, principalmente frutíferas, mas pode ser utilizada em hortaliças.

(18) 3229-5412 

ACOMPANHE NOSSAS REDES SOCIAIS 

  • LinkedIn - Círculo Branco
  • Facebook - Círculo Branco
  • Instagram - White Circle