• GeoAmbiental Jr.

Influência da Natureza no Desenvolvimento das Crianças

Atualizado: Ago 3

Em um mundo cada vez mais urbanizado e tecnológico é difícil não encontrar uma criança conectada a celulares, tablets e computadores, e além disso possuem uma rotina com diversas atividades extracurriculares que acabam diminuindo o interesse da criança pelo meio ambiente. O Censo de 2010 mostrou que em mais de 95% dos lares brasileiros o eletrodoméstico está presente e de acordo com o Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatísticas (IBOPE), as crianças passam 5h35min, em média, em frente a TV todos os dias.

Um documento divulgado pela Children & Nature Network, coloca o Brasil em uma lista dos três países onde as crianças exploram a natureza com menos frequência, mas existem muitos fatores externos que contribuíram para essa nova realidade. As crianças brasileiras, em sua maioria, crescem cercadas por prédios e muros, visto que aproximadamente 80% da população está nas áreas urbanas, além disso o processo de urbanização do país ocorreu de forma acelerada e sem muito planejamento onde todo terreno livre é visto como um espaço para novas construções, prevalecendo o concreto e o asfalto.

E mesmo em áreas rurais a valorização da natureza é baixa, pois a priorização de desenvolvimento para o campo brasileiro é baseado nas grandes propriedades, monocultura e uso intensivo de agrotóxicos, impactando a qualidade dos solos, água e ar.

A pesquisadora Maria Isabel de Barros, do programa Criança e Natureza do Instituto Alana diz que o fato das crianças viverem “emparedadas”, em uma rotina em que ela fique fechada e consista apenas em ir para casa, escola e shopping, pode causar sérios problemas como hiperatividade, obesidade e até casos de miopia. Um estudo realizado pela Faculdade de Ciências e Saúde, da Universidade de Sydney, na Austrália, comprova que o meio natural estimula a utilização total dos sentidos e da criatividade das crianças e além disso, previne doenças.

Dados de 2010, divulgados pelo Ministério da Saúde mostram que o Brasil era o segundo maior mercado mundial de ritalina, que é um medicamento utilizado para o tratamento da depressão e do Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH). E em um artigo publicado nas revistas especializadas Environment and Behavior e Journal of Attention Disorders em 2003 e 2008, respectivamente, indicam que passar tempo em contato com a natureza contribui na redução de estresse e no tratamento do TDAH, com esses dados podemos concluir que grande parte dos problemas enfrentados pelas crianças brasileiras é a falta de contato com a natureza.

Quando as crianças brincam ao ar livre, elas desenvolvem diversas habilidades físicas, emocionais e até sociais, são mais capazes de conviver com as outras e são mais felizes, apresentando maior resiliência e capacidade de lidar com as adversidades da vida, além de combater a deficiência de vitamina D por estar em exposição ao sol, evitar a miopia ao exercitar a visão de longa distância e pluridimensional e por estar em constante movimentação, torna-se um antídoto contra a obesidade.

Desenvolvem os aspectos sensoriais, visto que estarão em contato com diferentes cheiros, texturas, cores e formatos. Nos aspectos físicos elas aperfeiçoam o equilíbrio, possuem uma maior estruturação do sistema muscular e tem um crescimento mais saudável, pois devido ao gasto de energia, possuem uma noite de sono mais tranquila, que é o período mais importante para o crescimento. Elas se tornam pessoas mais calmas, educadas, curiosas e pacientes.

Esse contato da criança com a natureza também é extremamente importante para o meio natural, quanto mais uma criança passa tempo em meio ao verde, maiores serão as chances dela se tornar um adulto que aprecia e protege o meio ambiente. Um estudo da Universidade de British Columbia com jovens adultos descobriu que 87 por cento dos entrevistados que brincavam ao ar livre em contato com a natureza quando pequenos ainda mantinham o amor pela natureza na idade adulta. Além disso, 84 por cento desses jovens adultos disseram que cuidar do meio ambiente é uma prioridade para eles.

Queremos ensiná-los a preservar o meio ambiente, mas fazemos isso dentro de salas de aulas fechadas ou por meio de joguinhos eletrônicos. Ana Lúcia Machado, coordenadora do projeto “Playoutside - Alegria de brincar na natureza”, defende que a educação ambiental só será efetiva se houver o contato da criança com a natureza.

(18) 3229-5412 

ACOMPANHE NOSSAS REDES SOCIAIS 

  • LinkedIn - Círculo Branco
  • Facebook - Círculo Branco
  • Instagram - White Circle